sexta-feira, 1 de julho de 2016

Novo livro: A Dinâmica do crescimento




Novo livro: A Dinâmica do crescimento

Épocas de crise oferecem uma oportunidade única de crescimento. Não estamos aqui por acaso. Escolhemos estar aqui e agora, neste exato momento histórico, a fim de fazermos uma importante escolha individual e coletiva. Essa escolha afetará não só a vida de cada um, mas toda a vida na Terra: ou saltamos para um novo nível de consciência – o que nos levará a um desenvolvimento extraordinário – ou permanecemos como estamos e sofreremos as consequências das nossas escolhas.
O crescimento pessoal não é uma conquista reservada para poucos. Não está condicionado à sorte ou ao fato de se ter nascido com algum talento especial. 
Tampouco depende de muito esforço. Na verdade, todos têm a oportunidade de crescer, pois há uma ciência por trás do sucesso e da autorrealização baseada em leis físicas que regem o Universo. Aquele que as domina, inevitavelmente, terá crescimento ilimitado. 
O mais interessante é que esse conhecimento já existe em cada um, apenas encontra-se oculto sob o véu de esquecimento.

sábado, 16 de abril de 2016

Poder pessoal




Um hábito é um conjunto de pensamentos repetidos com tal frequência que fica gravado no subconsciente, tornando-se automático. A preocupação é um hábito, assim como a ansiedade e o julgamento incessante.

Escolha conscientemente, a cada momento do seu dia, pensar em coisas construtivas. Elimine aos poucos a entropia psíquica, aquela tendência a pensamentos negativos repetitivos, causada pela falta de foco, de domínio mental.

Só podemos ter um pensamento de cada vez. Por isso, quando notar um pensamento nocivo, basta substituir pelo que quer pensar.

E não permita que esse exercício se transforme em mais uma fonte de ansiedade. Relaxe. Faça ser divertido. Ria de si mesmo quando se pegar no velho hábito e reinicie o processo, gentilmente.

Isto é poder pessoal.

Mabel Cristina Dias

segunda-feira, 28 de março de 2016

Espiritualidade lúcida



A espiritualidade lúcida parte do entendimento que você já está totalmente abastecido de tudo o que precisa para ser feliz. Nada vindo de fora é capaz de lhe trazer o que já é seu por natureza: coisas, pessoas, situações ou mesmo a ideia de um Deus externo que dá ou tira. Você é o Todo. Conecte-se com esse aspecto poderoso em você e terá acesso à mesma inteligência que cria e sustenta universos.



Prosperidade financeira


A prosperidade financeira é o resultado da visão de mundo de uma pessoa. Em última análise, seu sistema de crenças determina o que ela pensa e sente sobre dinheiro. Influencia diretamente suas ações diárias: como e quanto trabalha, no que gasta seu dinheiro, se poupa ou investe. Somente mudando o paradigma pessoal limitante é possível prosperar. Este é um trabalho pessoal e intransferível.

Mabel Cristina Dias

Com o que vem alimentando sua mente?



O subconsciente exerce grande influência sobre a saúde. A maioria das funções corporais como respiração, batimentos cardíacos, ajuste de temperatura, sistema de defesa é realizada automaticamente, sem nos darmos conta.
O poder de criar a doença também funciona no campo do subconsciente.
Pensamentos negativos e sentimentos de medo, raiva, preocupação, ansiedade e tristeza, mantidos por longo tempo penetram no subconsciente e ali se alojam , afetando o bom funcionamento do fígado, coração, cérebro, pulmões, rins, vasos sanguíneos, etc. 
Quando a negatividade se acumula, o sistema imunológico começa a falhar na defesa contra microorganismos e células cancerosas que se formam diariamente no corpo, propiciando o surgimento de infecções e câncer.
Por isso, fique atento ao alimento que oferece ao seu subconsciente. Ele não raciocina, apenas cumpre ordens do consciente. O controle de sua saúde está em suas mãos.
Sua energia está onde está sua atenção. Concentre-se apenas no bem que há no mundo, em você e nas pessoas. Substitua pensamentos e emoções negativas. Vibre intensamente na energia do amor e da gratidão que o poder de autocura entrará em ação.


quinta-feira, 24 de março de 2016

SENTIR-SE BEM É O MAIS IMPORTANTE PARA SER SAUDÁVEL


Você cria sua própria realidade o tempo todo, em coerência com seus pensamentos e sentimentos.
Seus pensamentos e sentimentos são ondas que vibram em frequências específicas, e, por eletromagnetismo, atraem de volta situações, coisas e pessoas com a mesma frequência. 
Isso vem acontecendo durante toda sua vida, normalmente de forma não consciente.
Saiba disso ou não, acredite nisso ou não, é assim que funciona.

Semelhante atrai semelhante. Esta é uma lei universal que lhe garante ter as mais diversas experiências, das mais felizes às mais desastrosas. 

Você não é uma vítima. É um cocriador, e quando compreende essa lei, torna-se capaz de escolher o que está emanando e recebendo do Universo. 

Seria injusto se não fosse assim. Imagine se algo ou alguém fosse responsável pelo que lhe acontece, você não passaria de um escravo.

Criar a própria realidade significa, inclusive, que é você quem cria a sua saúde. 

O seu organismo tem inteligência e busca sempre o equilíbrio . Ele responde a vários fatores externos, mas principalmente à maneira como você se sente na maior parte do tempo.

Mesmo que se alimente corretamente, faça exercícios, tome vitaminas ou qualquer outra medida dita saudável, de pouco adiantará se não se sentir bem, tamanha força que há nos sentimentos. 

O que é sentir-se bem? Sentir-se bem é estar feliz, amando, em paz com o momento presente. Este é o segredo da saúde perfeita.

Como conseguir isso, na prática?

1. Aceite o agora como ele é.

Pare de brigar com a realidade: seu estado atual de saúde, o lugar onde mora, sua situação financeira, profissão, o clima lá fora, a situação econômica e política do país. Se quiser realmente mudar algo, o primeiro passo é aceitá-lo, com tranquilidade e confiança. Não pode haver nenhum desconforto com o momento presente, pois a resistência a ele gera desarmonia energética, que precede a doença.

2. Aceite as pessoas como são.

Cada um é o que pode ser, de acordo com seu nível de consciência atual. Não tente mudar as pessoas; somente elas poderão fazê-lo e no momento exato em que realmente decidirem. As pessoas não estão aqui para lhe agradar, mas para terem suas próprias experiências. Elas foram atraídas por você, de acordo com seu estado vibracional, para que, através dessa interação, possa exercitar amor, perdão, compaixão, gratidão e serviço ao próximo. Quando parar de julgá-las , sua energia mudará instantaneamente.

3. Aceite a si mesmo.

Isso é o mais importante. Você é uma parte do Todo e como tal, possui talentos únicos que devem ser expressos para que haja expansão não só sua, mas do próprio Universo. Por isso, seja autêntico. O maior engano é tentar ser algo diferente do que é, seja para agradar aos outros ou para atingir um ideal de perfeição dentro da sua cabeça. Você é único e precioso.

4. Cerque-se de tudo o que lhe faz sentir bem: pessoas, animais, lugares, atividades, músicas, etc.

Quanto mais tempo sustentar esse bem-estar, maior será seu nível de vibração, o que lhe trará de volta experiências de alta frequência.
Estar de bem com o agora repercute na qualidade dos seus sentimentos, pensamentos, palavras, escolhas e ações diárias. Isso reflete diretamente no tipo de informação com que alimenta seu organismo e, consequentemente, na resposta celular para a ordem e saúde.
Sinta-se bem e será saudável.


Mabel Cristina Dias

sexta-feira, 11 de março de 2016

As Leis da Cocriação


Existem leis universais que regem a criação e que são velhas conhecidas dos iniciados nas escolas de mistério, em todas as épocas da história. Recentemente, foram trazidas a público: A Lei da Atração e a Lei da Manifestação. Há quem as ame, há quem as odeie e isso tem uma explicação lógica.
A Lei da Atração diz: todo pensamento ou sentimento vibram, emitem um sinal e atraem de volta um sinal correspondente. Coisas com vibrações semelhantes se atraem. Dessa forma, lhe traz situações, pessoas, coisas e experiências que correspondem à vibração que você emite habitualmente.

A Lei da Atração diz que você tem a capacidade de criar a realidade em que vive, através dos seus pensamentos e sentimentos dominantes. Você cria sua própria experiência. Não é vítima de nada, é criador de tudo o que lhe acontece de bom e de ruim.

Magia ou delírio? Funciona ou não?

As Leis da Atração, da Manifestação e a nova física afirmam a mesma coisa: você (ou o observador consciente) cria sua própria realidade.

Isso soa mal para quem se considera vítima das situações e do destino. E o que dizer sobre criarmos um acidente ou a própria doença? Além de doentes deveríamos nos sentir culpados por isso? Como um bebê cria sua própria realidade? E o que dizer daqueles que tentaram criar fortuna da noite para o dia só com a força do pensamento e não tiveram êxito? Como entender todas as implicações por trás dessas leis?

Para ter as respostas a todas as perguntas é necessário saltar de paradigma. Para dominar as leis da cocriação é preciso antes expandir a percepção sobre a realidade.

Vejamos:


1 - “Pedir” é sentir.

Quando deseja criar algo ou alguma experiência, você não precisa pedir com palavras, basta intencionar. Pensamentos e sentimentos são ondas e vibram em determinadas frequências. Uma intenção forte é aquela em que pensamentos e sentimentos são focados e coerentes como um laser.
Mesmo que deseje que determinada coisa não aconteça, está pedindo por ela mesmo assim. Isso porque a está incluindo em seu campo vibracional quando dá atenção a ela.

Pensar repetidamente sobre o que quer é desnecessário. Basta sentir que aquilo que deseja já existe, mesmo sem ter se manifestado ainda. A onda que porta a possibilidade que se quer manifestar já existe no campo quântico. Creia, sem nenhuma dúvida e sem ansiedade em relação ao tempo que levará para que se manifeste na sua realidade. Essa certeza é o início da atração.



2 - Semelhante atrai semelhante.

A Consciência Una ou o Todo só entende a linguagem das vibrações e vai responder ao seu “pedido” com vibrações semelhantes, ou seja, de mesma frequência.
Basta não oscilar seu querer, que os sinais começam a chegar após determinado tempo. Na verdade, a onda se forma instantaneamente em outra dimensão da realidade. O tempo que leva para percebê-la só depende de você. Não atrapalhe a recepção emanando ondas de frequências diferentes às iniciais. Isso aborta todo o processo.
Até que comece a perceber seu “pedido” se manifestando na realidade, ocupe-se mantendo o foco no que quer, sustentando o sentimento de que já aconteceu, sendo grato por isso. Quando agir, siga a inspiração que recebe quando se alinha intencionalmente com a Consciência Una.


3 - Permita receber o que “pediu” (A lei da Manifestação)

Existe um fluxo de bem-estar e abundância no Universo. Você pode permiti-lo ou resistir a ele. O sentimento é o segredo que permite receber ou não o que pediu.

Quando o sentimento é intenso, seja ele positivo ou negativo, sua intenção e capacidade de manifestação são grandes.

Quando os sentimentos que predominam são positivos, você está permitindo a realização do que quer.
Quando são negativos, você está rejeitando o que quer, pela falta de alinhamento vibracional com sua Essência, que é alegre, abundante e amorosa.

Você deve vencer a resistência que o ego impõe e paulatinamente deixar a sua Essência, que vibra mais próximo à Consciência Una (amor, felicidade, abundância), atuar para que possa receber o que deseja.
Na prática, perceba a todo instante como está se sentindo. Essa será a melhor forma de saber qual está sendo a sua escolha neste momento. Quanto melhor se sente, mais está permitindo a conexão e a realização de seu desejo.

Muitas vezes você não manifesta o que quer porque está fixado em um padrão de vibração incoerente com seu desejo. Essa fixação se dá pelo hábito mental de reclamar, condenar, culpar, temer.
A única coisa que precisa fazer é, lenta e gradualmente, abandonar os pensamentos e sentimentos negativos que se habituou a cultivar (raiva, frustração, culpa, intolerância, etc.). Isso inclui a atenção que você dá às noticias ruins nas mídias. Se você não tem ainda equilíbrio suficiente para não se deixar afetar negativamente, evite-as completamente.

Preste atenção aos seus sentimentos e escolha intencionalmente os pensamentos que o façam sentir-se bem, a respeito de tudo.

Quando não se sentir bem, busque imediatamente qualquer coisa que lhe cause bem estar. Rodeie-se de coisas boas para você: pessoas, lugares, animais, natureza, músicas, livros, filmes.

No começo isso ajuda, pois aumenta sua vibração. Conforme você aprende a se manter alinhado com o Todo, menos precisará disso.

E o mais importante: o seu alinhamento lhe trará não o que seu ego quer, mas tudo o que sua alma precisa e pode obter. Aceite isso e relaxe.

Na escala da criação temos três situações:

1 - Vítima: A maioria das pessoas se encaixa aqui. A pessoa não se sente responsável pelo que lhe acontece. Sente-se vítima dos pais, do cônjuge, do governo, do clima, das suas doenças, do patrão, das crises econômicas. Seu sentimento é de impotência e derrota. Pode oscilar entre a raiva e a depressão.

2 - Criador: Uma pequena parcela das pessoas já consegue perceber que não é uma vítima, que pode criar sua própria realidade. Tenta criar com o ego, somente pela intenção. Às vezes consegue, mas nem sempre. Oscila entre a euforia quando consegue o que quer e a frustração quando não consegue.

3 - Cocriador: Uma parcela ínfima das pessoas já sente que cria uma realidade extraordinária quando entra em fluxo (conexão) com o Todo. Quando se rende totalmente a esse fluxo, cria tudo o que sua alma pede, sem o mínimo esforço. O sentimento é de êxtase contínuo.

terça-feira, 1 de março de 2016

Não suporto mais!


Uma quantidade enorme de pessoas encontra-se em desespero, não aquele silencioso que citou Thoreau, mas um desespero declarado, gritado aos quatro ventos.

A humanidade chora sua dor, acumulada em milênios de inconsciência. Debate-se em um processo de catarse coletiva que se expressa na forma de doenças físicas, ansiedade, depressão, dificuldades financeiras e solidão. 

É bom chorar. Quando as lágrimas secarem, será mais fácil enxergar que chegou o momento de render-se, de parar de resistir ao fato de que criamos nossa própria realidade como indivíduos e como coletividade; que não somos vítimas, que somos cocriadores.

Admitir o desespero já é um grande passo em direção à cura. Só podemos mudar uma realidade quando sabemos onde estamos e para onde queremos ir. Não há viagens cegas quando se trata de crescimento.

Entenda que o desespero é uma reação do ego. É o último estertor, a derradeira tentativa de mostrar que ele está ali, presente. O ego não solta o osso, não quer perder o controle. Quer que as coisas sejam da maneira que idealizou. Quando isso não acontece, começa a espernear: “Não suporto mais!” Será?

A capacidade humana de tolerar sofrimento é muito grande, amigos, e não deve ser subestimada. Basta pesquisar o que acontece num campo de refugiados ou de concentração, num país miserável povoado por crianças esquálidas, numa zona de guerra. Ou pode-se visitar um hospital no setor de tratamentos paliativos para o câncer. É bem instrutivo. Há muita dor e sofrimento nesses locais.

A dor é uma reação física a um estímulo nocivo. Faz parte do sistema de alerta de qualquer organismo. Quebrou a perna, vai doer. Já o sofrimento é uma dor psicológica, que vem da identificação com o ego, com a história pessoal que contamos a nós mesmos diariamente. A pessoa quebrou a perna e sofre porque se sente limitada. Viu a diferença?

O ego não vê os fatos apenas como são, mas os interpreta conforme suas crenças. 

O sofrimento vem da sensação de perda, seja qual for ela: da saúde, da juventude, da beleza física, do dinheiro, da posição social ou de alguém que amamos.

Quando compreendemos que tudo isso pelo qual sofremos é transitório, é efêmero, deixamos de sofrer. É instantâneo. Isso acontece em milésimos de segundos. Não é uma meta distante. Está ao alcance de todos. Basta decidir e sentir. 

Quem diz que não consegue sentir é porque está sob domínio do ego.O coração tem um campo magnético muito superior ao do cérebro. Portanto, não é por falta de equipamento que não vamos sentir. Basta tirar o foco do pensamento e colocar no peito. Ali habita a nossa verdadeira força.

Quando soltamos tudo o que é passageiro, deixamos de ser sobreviventes. Passamos a viver em fluxo com a vida e receber tudo o que nos é de direito, herdado por nossa condição divina.

Soltar é uma arte. Não é um luxo, nem utópico. É uma necessidade, é viável. Se uma pessoa conseguiu é porque é possível para todas.

O desespero é a sensação de que não há mais para onde correr. É o fim da linha para o sofredor. Cerca de 20 milhões de pessoas tentam o suicídio todos os anos, na esperança de acabar com o sofrimento. Quase um milhão delas consegue interromper sua manifestação na matéria, mas não é tão bem sucedida em interromper a vida. São duas coisas completamente diferentes. 

Destruir o corpo não acaba com a consciência, que é eterna. Tentar por aí acrescenta mais dor em quem vai, além de trazer sofrimento para quem fica. Sem falar no suicídio lento, bem mais comum, que vemos na forma de agressões ao corpo por má alimentação, abuso de drogas, endividamento, etc. São apenas graus diferentes do mesmo problema: Ignorância e Resistência.

Acabar com o sofrimento só será possível quando o ego for completamente integrado à sua essência divina e imortal, quando passar a servi-la e não tentar controlá-la. Isso pode ser feito aqui e agora ou daqui a milênios. É puramente uma questão de escolha, de livre-arbítrio, e em última instância, de quanto cada um é capaz de suportar sofrimento e adiar a felicidade.

A ignorância de quem somos e da realidade última é a causa de tanto sofrimento. Quem já conhece, pelo menos teoricamente esta verdade deixa de ser inocente e passa a ser responsável pelo que vai fazer com esta informação. Usará em benefício próprio, passará para frente?

Filosofar é bom, mas agir é melhor. 

Curtir é humano, compartilhar é divino. Seja o que for.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Paradigma


Paradigma é um conjunto de crenças, um modelo da realidade que é aceito pela maioria das pessoas. Esse modelo funciona como verdadeiros óculos com que enxergamos a realidade. Em última análise é o paradigma que determina nossa forma de pensar, avaliar e agir, mesmo que não saibamos disso. 

Por ser transmitido culturalmente, de geração a geração, perpetua a maneira como a sociedade funciona na prática. 

Geralmente não nos damos conta dos paradigmas que orientam nossas vidas. Eles são como programas rodando sem nosso conhecimento. Como não questionamos o modelo aprendido na infância e que é reforçado ao longo da vida pelo sistema científico, educacional e religioso fica muito difícil mudar um paradigma quando este não atende mais às necessidades de uma população. 

O paradigma que rege a imensa maioria das pessoas no momento é o paradigma materialista ou newtoniano-cartesiano, que surgiu com o nascimento da ciência e vigora há mais de trezentos anos. Ele se caracteriza por ser: 

1) Materialista: já que considera a matéria como base de tudo que existe. 

2) Dualista: já que divide o homem em duas partes distintas e totalmente independentes, o corpo e a mente. 

3) Reducionista: pois reduz o funcionamento do homem e de todo Universo à mera interação entre átomos e moléculas. 

4) Mecanicista: por conceber o Universo como uma máquina, um imenso mecanismo semelhante às engrenagens de um relógio. 

O materialismo propõe que tudo o que existe nasce da interação entre as partículas elementares que constituem os átomos que formam a matéria. A isso chamamos causação ascendente, que no ser humano seria assim: 

As partículas elementares (prótons, nêutrons e elétrons) formam os átomos, 

Os átomos formam as moléculas, 

As moléculas formam as células do corpo, 

As células (neurônios) formam o cérebro, 

O cérebro gera a consciência. 

Logo, segundo o materialismo, a consciência de um ser humano é meramente o resultado da atividade do cérebro, um epifenômeno. É por essa razão que a maioria das pessoas ainda acredita que uma pessoa em coma está inconsciente. Se o cérebro está com problema, a consciência é perdida. O materialismo insiste em afirmar que tudo o que pensamos, sentimos, acreditamos e valorizamos na vida não passa de mera função cerebral, resultado da atividade dos neurônios. 

O pesquisador Charles Tart, em seu excelente livro “O Fim do Materialismo” relaciona as características do paradigma materialista que: 

-Aceita a matéria como a realidade última. 

-Acredita que o Universo é controlado por leis físicas imutáveis e pelo acaso absoluto. 

-Insiste que o Universo não tem um principio criador, nenhum propósito ou sentido. 

-Todas as ideias sobre divindade e espíritos são ilusões e superstições. 

-A vida e a consciência são decorrentes de processos físicos e casuais. 

-Nossas ferramentas para interagir com o meio são apenas os cinco sentidos e a razão. 

-O livre-arbítrio é uma ilusão, pois somos seres condicionados por leis biológicas. 

-Nossa identidade se define pelo corpo físico e pelo ego. 

-Estamos separados totalmente dos demais indivíduos e seres, 

-Os que nos agradam, pensam como nós ou nos ajudam a evitar o sofrimento são nossos amigos. Aqueles que nos fazem sofrer, que pensam diferente de nós ou não nos permitem que sintamos prazer são nossos inimigos. 

-Privilegia o individualismo, a competição e a luta. 

-Não aceita que existe vida após a morte. 

- Não aceita que existam seres não físicos (almas, espíritos, etc.) 

Como podem ver é o paradigma do EGO. 

Segundo o materialismo, você é apenas matéria, que surgiu no Universo por puro acaso, pela combinação de alguns elementos químicos. Não há nenhum sentido, nem propósito em sua vida. Qualquer noção de espiritualidade é construção do seu cérebro para não se sentir tão só e desamparado. Você é uma máquina controlada pelos genes e pelas leis da matéria. Por isso não há como mudar o seu destino. Está tudo determinado. 

Só existe aquilo que pode captar com os cinco sentidos. Se não vemos “espíritos”, então eles não existem. O que não pode ser medido e avaliado pelo método científico da experimentação também não existe. Se pensarmos diferente, seremos ridicularizados e condenados. 

A única forma de entender o mundo é através da razão. Se você não entende algo, ele não é real. 

Você é apenas um corpo e a noção de quem é (ego). Não há nada oculto no comando. 

Você é um ser finito, já que com a morte perderá o corpo e a consciência. Portanto, pode fazer qualquer coisa ou deixar de fazer, é indiferente. Vai desaparecer, mesmo! 

Somos os únicos seres com consciência no planeta, por isso somos a “cereja do bolo”. Podemos dominar e explorar a natureza, que existe só para nos servir. Animais não têm consciência, nem sentimentos. São apenas comida, cobaias de laboratório e diversão. 

Como pessoas, somos separadas umas das outras. Por isso, podemos competir por mais recursos, guerrear e explorar uns aos outros. 

Percebeu o alcance desse paradigma? Para ter ideia do tamanho do problema, basta dizer que fazem parte dessa linha de pensamento todas as ciências clássicas como física, química, biologia, medicina, psicologia, economia, sociologia, e assim por diante. É um paradigma que se baseia na ciência, mas uma ciência voltada para servir o ego: setenta por cento da produção científica do mundo é destinada à indústria da guerra. 

Compreende porque, apesar do progresso tecnológico, a atuação do materialismo é limitada e não atende mais às necessidades dos humanos e dos outros seres do planeta? Está claro porque não conseguiremos resolver os principais problemas da humanidade usando um modelo que privilegia a matéria e anula o espírito? 

Mas, felizmente, há um novo paradigma surgindo entre nós: o paradigma quântico ou sistêmico. Com o desenvolvimento da teoria da relatividade de Einstein e principalmente da mecânica quântica há cem anos, partimos agora para uma visão holística (ou sistêmica) do mundo, onde tudo se integra. Mais adiante vou abordar os principais achados da mecânica quântica. 

Nesse modelo da realidade não há mais separação. Sua mente e seu corpo; você e o outro; o homem e o Universo são entendidos como uma unidade, podendo se inter-relacionar e se influenciar instantaneamente através de conexões mais rápidas que a velocidade da luz. 

Charles Tart relaciona os principais aspectos do paradigma quântico: 

-Aceita a consciência como realidade última. 

-Entende que o Universo foi criado e é mantido por um poder inteligente, uma intenção organizadora que está em evolução. 

-Nossas ferramentas para interagir com o meio são os cinco sentidos, a razão, a intuição e os poderes paranormais (psi) 

-Existe livre-arbítrio. 

-Nossa identidade se constitui de corpo, mente e alma. 

-Estamos todos entrelaçados, por isso não faz sentido algum pensarmos em termos de inimigos. 

-Privilegia a solidariedade, a cooperação e a união. 

-Aceita que exista vida após a morte física. 

-Aceita a existência de seres não físicos (almas, espíritos, etc.) em processo de evolução. 

Este é o paradigma da CENTELHA DIVINA. 



Segundo o paradigma quântico, você é uma consciências eterna. Foi emanado intencionalmente por um princípio cósmico inteligente e organizador. Há propósito e sentido em sua vida. Está vivendo agora uma experiência material com finalidade evolutiva. Isso também acontece com os outros seres que coabitam o planeta. Todos eles têm consciência e evoluem assim como nós e merecem nosso respeito. 

Você pode fazer escolhas e mudar sua realidade pelo poder da consciência focada e alinhada à Inteligência Cósmica. 

Nada está determinado. Todas as possibilidades estão em aberto. Não estamos sozinhos. Somos acompanhados por seres não físicos que estão próximos a nós por afinidade vibracional. 

Você pode interagir com outras pessoas e com o Todo através da intuição e de poderes naturais como visão remota, telepatia, telecinesia, etc. 

Por estar entrelaçado com todos e com tudo, não faz sentido competir, dominar, guerrear ou explorar. Fazer isso seria como “dar um tiro no próprio pé.” 

Com qual das duas visões o seu coração se identificou? 

O paradigma quântico começa a despontar, lentamente, entre alguns cientistas de vanguarda e mesmo entre o público em geral. O termo física quântica tornou-se popular. É usado com frequência em muitas publicações e seus princípios servem como base para impulsionar uma nova versão mais coerente das ciências clássicas: a nova física, nova química, nova medicina, a nova economia, e assim por diante. 

O modelo quântico da realidade ainda não é aceito no meio científico oficial, mesmo tendo como base a física moderna e outras disciplinas de fronteira. Pelo contrário, é visto com muito preconceito pelos acadêmicos, tratado como charlatanismo ou pseudociência. Isso já era esperado, pois tudo o que tem potencial para mudar uma civilização causa muita resistência, no início. Toda resistência é fruto da negação da realidade e do medo de perder o poder, característica marcante do ego. 

Uma nova ideia evolui assim: primeiro é ignorada ou ridicularizada; depois é combatida ferozmente e, por fim, aceita. Estamos ainda na primeira fase. Portanto é uma questão de tempo para que o novo paradigma seja totalmente implantado. 

Para adotar o paradigma quântico em todo o planeta, teremos de rever toda a base que sustenta as nossas escolhas, relações e comportamentos; e isso não é nada confortável, nem conveniente para alguns. Mas terá de ser feito mais dia, menos dia. Por que não agora?

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Atenção ao que entra e sai de você.


Atenção ao que entra e sai de você.

Só existe um fluxo de bem-estar e abundância no Universo. Você pode aceitá-lo ou rejeitá-lo.
Perceba como está se sentindo. Essa será a melhor forma de saber qual está sendo a sua escolha neste momento.
Muitas vezes você não consegue o que deseja porque está fixado (a) em um padrão de vibração incoerente com seu desejo.
A única coisa que precisa fazer é, lenta e gradualmente, renunciar aos pensamentos e sentimentos negativos que se habituou a cultivar (raiva, frustração, culpa, intolerância, etc.).
Isso inclui a atenção que você dá às notícias ruins nas mídias. 
Se você não tem ainda centramento e neutralidade suficientes para não se deixar afetar negativamente, evite-as completamente. 
Não se trata de alienação e sim de proteger o seu campo.
Lembre: alimento não é só o que entra pela boca.


quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Colhemos escolhas




Compreendi que colhemos da vida o resultado de nossas escolhas conscientes e, principalmente, inconscientes. Que o tipo de vibração que emanamos para o Universo determina o que recebemos de volta, em todas as áreas. 
Foi libertador saber que não somos vítimas de nada ou ninguém, apenas da nossa ignorância temporária sobre estas questões. Que podemos mudar o curso de nossas vidas quando vivenciamos dia-a-dia tais princípios da criação. 
Entender e aceitar como funciona a realidade fez toda a diferença para mim, assim como fará para você. Estou certa disso.